Degustação Virtual

Um curso rápido e prático para você aprender um pouco mais sobre o maravilhoso mundo do vinho.

Apresentação Bebida originária da natureza, o vinho é também resultado de um conjunto de conhecimentos aprimorados desde a antiguidade. É um produto diferenciado: mais do que bebido, ele também precisa ser apreciado.

Esse pequeno curso foi pensado e criado por enólogos que, acima de tudo, também são consumidores. Queremos que você aprenda, entenda e descubra um pouco mais sobre essa alegre e saudável bebida para que, ao servir a sua próxima taça, ela seja ainda mais desfrutada e degustada.

Bom proveito!

A história do Vinho

Vestígios da viticultura, como a técnica agrícola, foram encontrados na Asia Ocidental, e datam de 6000 a.C.

Sua expansão mundial coincidiu com a ascensão dos Impérios Grego e Romano, pois a vinha era parte de ambas as culturas.

A igreja também desempenhou um papel importante: a cultura das vinhas foi mantida em mosteiros e igrejas mesmo nos tempos mais difíceis.

Já a chegada ao Brasil aconteceu em 1532, com o primeiro vinho elaborado no país datado de 1551, por Brás Cubas, no planalto de Piratininga, em São Paulo.

A revolução da enologia moderna aconteceu no século XIX,
quando Luis Pasteur publicou o livro “Études sur le VIn”
com descobertas sobre fermentação e microorganismos.

A história
do vinho
tem origem
na antiguidade.
Jamais devemos
ignorar de onde
vem o vinho
que estamos
bebendo.

A importância da Região

As interações do solo, do clima, do relevo e da geografia da região onde as uvas são cultivadas estabelecem sensações do vinho, como também aportam matizes, aromas e sabores únicos.

Há também o conteúdo cultural de cada garrafa. No caso da Aurora, não há como não recordar da serra gaucha ao apreciar um dos nossos vinhos. Os vilarejos de colonização italiana, a história construída com suor e paixão, as mãos calejadas e habilidosas do homem que plantou, conduziu e colheu a uva. É isso que o apreciador deve buscar: os aromas que não se sentem com o nariz, mas com o coração.

Variedades de Uvas

De maneira geral, as uvas podem ser classificadas em dois grandes grupos:

1 Uvas Européias ou Finas: Espécie Vitis viniferas, forneceu muitas variedades que hoje são tidas como as mais importantes do mundo.

2 Uvas Americanas ou Comuns: Grupo de espécies como Vitis labrusca, Vitis riparia e Vitis berlandieri.

Deste grupo, destacam-se as variedades destinadas à produção de sucos, para consumo in natura ou na fabricação de vinhos populares.

A videira é uma das espécies vegetais
com o maior número de variedades distintas.

Variedades de Uvas

É difícil traçar um perfil exato de cada variedade de uva, mas algumas possuem características que são frequentes nos vinhos elaborados com elas:

  • Chardonnay

    Aromas frutados e paladar intenso e volumoso. Casa com madeira, sendo exceção entre os vinhos brancos.

  • Riesling

    Aromas cítricos e refrescantes. Na boca é um vinho fresco de corpo médio.

  • Sauvignon Blanc

    A potência aromatica é sua principal marca. Frutado e de paladar delicado.

  • Gewurztraminer

    Aromas florais delicados e atrativos. Na boca é um vinho leve e ligeiro.

  • Cabernet Sauvignon

    A rainha das uvas tintas, com aroma potente e complexo. Na boca é robusta de corpo. Possui grande capacidade de guarda.

  • Merlot

    Aromas frutados e nobres. Seu vinho é macio e agradável, associando um bom corpo a notas de frutas.

  • Carmenère

    Semelhante ao Merlot, é um vinho mais vegetal e de paladar menos intenso.

  • Pinot Noir

    Vinho jovem, com aromas e paladar frutados e de intensidade moderada.

Elaboração dos Vinhos

A vinificação consiste em conduzir um processo natural com conhecimentos teóricos e recursos tecnológicos, resultando em virtudes sensíveis aos consumidores. O enólogo é o profissional responsável por esse processo, conduzindo a transformação dos açúcares da uva em álcool e gás carbônico, pela ação da levedura.

Vinhos brancos

Quando se busca um vinho branco, o desejo principal do consumidor é encontrar um produto leve e fresco. Por isso, todo o processo de elaboração é conduzido de forma a preservar as sutilezas da variedade de uva que está sendo trabalhada.

  • 1 Extração suave do mosto, com imediata separação das partes sólidas da uva
  • 2 Fermentação lenta a baixas temperaturas
  • 3 Estabilização e filtração do vinho logo após o termino da fermentação
  • 4 Conservação do vinho em condição de proteção das oxidações e outras alterações
  • 5 Envase e consumo relativamente rápidos

Elaboração dos Vinhos

Vinhos tintos

Seria fácil dizer que a diferença de um vinho branco para um vinho tinto é a sua cor. Mas a cor é apenas uma das consequências do processo que aporta uma estrutura muito mais intensa aos vinhos tintos que, por exemplo, são elaborados desde o início com a presença das cascas da uva.

  • 1 Prensagem
    da uva
  • 2 Fermentação
    alcoólica
  • 3 Fermentação malolática
    e maturação dos vinhos em
    bordalesas de carvalho
  • 4 Estabilização e
    filtração do vinho
  • 5 Conservação até
    o momento do envase
  • 6 Guarda do vinho
    em garrafas

Elaboração dos Vinhos

Vinhos espumantes

A elaboração dos espumantes requer uma atenção especial mas, basicamente, podemos dizer que estes podem ser obtidos através de uma única fermentação (tendo como base o mosto da uva), ou através da refermentação de um vinho. Os espumantes de segunda fermentação, que surgiram na região de Champagne, na França, caracterizam-se pela origem do seu gás carbônico ser uma fermentação induzida em um vinho já pronto, através da adição de açucares e leveduras.

Vinhos rosés

Os vinhos rosés abrangem uma gama bastante distinta de produtos. Em geral, os vinhos rosados têm características muito próximas as dos vinhos brancos, porém com uma coloração própria. Quanto à cor, que é o seu grande diferencial, existem muitas tonalidades possíveis, indo desde o salmão até o cereja intenso.

Guarda dos Vinhos

Todo vinho deve ser guardado com o máximo cuidado.

Cada vinho possui o seu tempo
de guarda limitado pela sua estrutura.
Há aqueles que devem ser consumidos
jovens (até dois anos), enquanto outros
podem sobreviver por décadas dentro
da garrafa.

  • 1 A temperatura deve ser mantida entre 12ºC e 17ºC.
  • 2 Manter a garrafa na posição horizontal, para evitar que a rolha resseque e que o vinho entre em contato com o oxigênio.
  • 3 Evite mover constantemente os vinhos de local.
  • 4 O vinho deve ser guardado ao abrigo da luz, pois esta acelera o processo de degradação.
  • 5 A umidade deve estar entre 70% e 75%. Muita umidade provoca o aparecimento de fungos na rolha. Pouca umidade faz com que ela resseque.

Informações dos Rótulos

Cor: Branco, rose ou tinto.

Qualidade: Fino (uvas viníferas)
De Mesa (uvas comuns, americanas ou híbridas)

Álcool: Espumantes Moscatel (7% a 10% vol.)
Espumantes de segunda fermentação (10% a 13% vol.)
Finos e De Mesa (8,6% a 14% vol.)

Vinhos: Seco (até 5g/l de açúcar)
Meio-seco ou Demi-sec (5,1g/l a 20g/l de açúcar)
Suave (mais de 20,1%g/l de açúcar)

Espumantes: Extra brut (de 0g/l a 5g/l de açúcar)
Brut (de 5g/l a 15g/l de açúcar)
Seco (de 15g/l a 20g/l de açúcar)
Demi-sec (de 20g/l a 60g/l de açúcar)
Doce (mais de 60g/l de açúcar)

Taças

As taças devem ser sempre incolores, preferencialmente de cristal.

O pé deve ser alto o suficiente para evitar o contato da mão com o bojo.

Opte sempre pela maior taça.

Temperaturas*

Abertura daGarrafa

  • 1 Primeiro, deve-se cortar a cápsula do ressalto maior do gargalo e, após, limpá-lo.
  • 2 Inserir o saca-rolha com cuidado para não danificar e nem furar a rolha. Conferir se não há vazamento na rolha.
  • 3 Para espumantes, retirar a rolha segurando-a e girando a garrafa. Procure não fazer muito ruído: é deselegante e provoca perda de gás carbônico.

Aeração e Conservação dos Vinhos

Aeração

Após engarrafamento, o vinho fica em ausência de contato com o ar. Ao abrirmos um vinho, um tempo antes de ser consumido, ele entra em contato com o oxigênio, o que o auxilia a liberar aromas e aprimorar aspectos gustativos. Para os vinhos mais antigos, abrir a garrafa um dia ou algumas horas antes pode ser uma boa opção.

Conservação

Após aberto, o vinho tem vida curta, mantendo suas características por pouco tempo. O ideal é consumir a garrafa inteira ou, no máximo, armazená-lo na geladeira por até 3 dias. Para quem consome vinho diariamente, o sistema Bag in Box conserva o vinho por até 30 dias.

Degustação

1 Análise visual

Nesta fase, devemos estar atentos ao brilho, limpidez, tonalidade e intensidade da cor. Também podemos perceber que, quanto mais lágrimas na taça, mais alcoólico e denso o vinho é.

2Análise olfativa

O aroma do vinho nos fornece informações sobre suas qualidades. Um vinho deve ser prazeroso através do olfato.
Qualquer sintoma de odor desagradável deve nos alertar para uma condição não desejada para o vinho - talvez esteja "morto".

Além da intensidade do aroma - se ele é mais ou menos percebido por nosso olfato - é frente os apreciadores fazerem comparação dos aromas com substâncias diversas da natureza. É o que chamamos de descritores aromáticos , ou seja, são similaridades que nos permitem descrever o aroma percebido. Nitidamente, esta não é uma atividade simples, pois exige experiência por parte do degustador. A Roda dos Aromas, que ilustramos a seguir, traz alguns exemplos divididos em famílias de aromas - isso pode ajudar muito a lembrar o nome do que estamos percebendo.

3Análise gustativa

Na boca ocorre o teste mais importante e final do vinho. É nesse momento que verificamos se a expectativa criada terá uma resposta de mesma intensidade. O procedimento é simples: colocar um gole de vinho grande na boca e fazer o liquido percorrer todas as regiões dela antes de ser engolido.

Harmonização

A escolha adequada do vinho possibilita que a gastronomia alcance seu mais alto nível.

Regras básicas (na dúvida, siga-as)

  • Peixes, frutos do mar e carnes brancas
    com vinho branco.
  • Carnes vermelhas e molhos vermelhos
    com vinho tinto.
  • Sobremesas com vinhos doces.

Outras orientações

  • Vinhos com
    aromas discretos v Comida
    pouco condimentada.
  • Vinhos com
    aromas potentes v Comida com
    boa presença aromática.
  • Vinhos jovens
    e frutados v Pratos simples
    e rústicos.
  • Vinhos
    leves v Pratos com
    molhos magros.
  • Vinhos mais
    estruturados v Pratos com
    molhos suculentos.

OutrasDicas

  • Pratos tradicionais de uma região vão bem
    com vinhos da mesma região.
  • Quando for tomar sopas, experimente adicionar
    um pouco do vinho que pretende beber dentro
    do caldo fervente.
  • Use para cozinhar um vinho que você beberia.
    Vinhos fracos ou defeituosos tornam a receita igualmente fraca.
  • Não beba vinho com sorvete
    (não possui estrutura), frutas cítricas
    ou saladas de frutas que as contenham,
    saladas com vinagre e alcachofra crua.

Parabéns!

Certamente você já está com vontade de abrir uma garrafa de vinho e saborear todas essas informações, não é? Apreciar um bom vinho transforma um simples instante em um grande momento. O mais importante é seguir o seu gosto. Se alguma combinação não usual lhe agrada, vá em frente. Afinal, tudo é uma questão de gosto e bem-estar. Saúde!

/

Veja nosso tour virtual clique aqui

Acesse a nossa Fanpage

Sempre uma Grande História

Você tem mais de 18 anos?

Desculpe, para acessar o site você precisa ser maior de 18 anos.

Para visitar o site da Aurora, você precisa ter a idade legal para consumir bebidas alcoólicas.
Se o seu país não tiver uma lei com idade mínima para beber, você deve ter no mínimo 21 anos para acessar o site.

Se beber, não dirija. Se dirigir, não beba.