Vinícola Aurora

Bem-vindo ao site da Vinícola Aurora. Para continuar informe onde você está e se possui idade legal para beber.

Apoiamos o consumo responsável de bebidas alcoólicas, para visitar nosso site você deve ter idade legal para consumo das mesmas.

Sim, eu tenho
Se beber, não dirija. Se dirigir, não beba.

Vinícola Aurora

Início do conteúdo

Por que os cientistas estão estudando os cérebros dos sommeliers?

Uma pesquisa recente analisou como jovens sommeliers desenvolvem habilidades sensoriais como parte dos esforços contínuos para entender as possíveis ligações entre um olfato aguçado e a saúde do cérebro.

Vinte e cinco estudantes de sommelier, com cerca de dois meses de educação, superaram um grupo de "controle" não treinado de 29 pessoas na identificação de uma variedade de aromas comuns de vinho, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Chemosensory Perception.

O estudo é parte de esforços contínuos para examinar o desenvolvimento dos cérebros dos sommeliers à medida que eles ganham treinamento olfativo, com vistas a entender melhor a saúde do cérebro.Contexto: Links para a saúde do cérebroEspecialistas já sabem que o centro de memória do cérebro, o córtex entorrinal, é a primeira área a ser comprometida por doenças neurodegenerativas como o Alzheimer.

Em 2016, um estudo com 13 Mestres Sommeliers na Cleveland Clinic Lou Ruvo Center for Brain Health, em Las Vegas, descobriu que o córtex entorrinal era fisicamente mais espesso nos cérebros dos profissionais de vinho em comparação a um grupo de controle."Nós usamos os Mestres Sommeliers porque eles são especialistas em vinho, portanto em olfato", disse a neurologista Sarah Banks.Ela e sua equipe avaliaram as diferenças estruturais nos cérebros dos Mestres Sommeliers, bem como a resposta funcional às tarefas motoras, visuais e olfativas.

Os resultados mostraram que os sommeliers com carreiras mais longas exibiam tecido melhorado e mais saudável no córtex entorrinal, sugerindo que o treinamento especializado de sommeliers poderia resultar em aprimoramentos no cérebro até a idade adulta."Isso é importante, considerando que as regiões envolvidas são as primeiras a serem afetadas por muitas doenças neurodegenerativas", destaca Banks.

 

Estudo mais recente

Em colaboração contínua com o estudo de Banks, o colega Johannes Frasnelli, da Universidade de Quebec, publicou seu estudo de 2019 em Percepção Quimossensorial.

Frasnelli testou sommeliers com três e nove semanas de educação. Foi pedido a eles que identificassem 16 aromas frequentemente encontrados no vinho, desde anis, maçã e cravo até café, couro, limão e rosa.Os resultados confirmaram a teoria de que os estudantes sommelier fazem excelentes modelos para pesquisar a saúde do cérebro em relação ao desempenho olfativo relacionado ao estudo.Atualmente, estão trabalhando em um estudo de ressonância magnética com sommeliers que estudam há 18 meses."Esperamos ver mudanças no cérebro ao longo do tempo, como ocorreu no estudo de Banks”, prevê Frasnelli.

"Sabemos por pesquisas anteriores feitas em outros campos que o cérebro se beneficia do estudo ativo e as áreas de processamento do cheiro no cérebro também são responsáveis pela memória, emoção, aprendizado e recompensa. O treinamento olfativo melhora a capacidade cerebral”.

Fonte: Decanter - https://www.decanter.com/wine-news/sommelier-brain-science-study-412803

;

Continue navegando pelo Blog

Final do conteúdo